terça-feira, 21 de junho de 2011

Velha chata

Esta semana estava conversando com minha avó, na verdade brincando, aproveitando um pouco mais dela e agradecendo por isto.
Quando falei algo para ela(não lembro o que) e ela disse "Você vai ser uma velha chata!"

Na verdade eu sou chata desde que nasci, mas me peguei pensando hoje que realmente tenho perdido a paciência e o gôsto(acho acento diferencial fundamental, mais uma chatice) pelas coisas com muita facilidade.

Ouço muito rádio, principlamente por conta do trânsito tranquilo de SSA(not), e gosto de ouvir programas jornalísticos, mas percebi que perdi a paciência para determinados programas e colunistas que costumava adorar.

Pensei: Meu Deus, será que vou perder o gosto pelas coisas da minha rotina sempre?!

Se for assim, perderei o gosto por dar boa noite ao meu filho, por beijar minha avó quando chego em casa, por beijar Marcelo quando nos encontramos, por beijar e abraçar meu pai e minha irmã quando os encontro, por comer nutela, por beber vinho tinto seco, por comer temaki, guioza, tempura, por ver o pôr do sol, por tantas coisas, que nem cabem aqui.

Atualmente, algumas coisas realmente se perderam, como fazer exercício físico, correr.
Preciso recuperar urgente o sabor por isto, mas não consigo.

Na verdade, entendo porque perdi o gosto de me exercitar; eu meio que me perdi nos últimos meses, mas hei de me achar!

2 comentários:

Marcelo L. M. Trevisan disse...

Velha chata é ótimo!
Mô (com acento diferencial), chata você sempre foi e sempre será, não fosse não estariamos prestes a fazer 10 anos.
Só uma chata para suportar um chato, os chatos se merecem. Longa vida aos chatos!

Lu disse...

Eu tb tô no grupo, mas tentando sair dele. Ora aceito minha chatice ora tento me desvencilhar dela, mas parece que ela nunca sai de mim.